TST: É devida a PERICULOSIDADE ao OPERADOR DE EMPILHADEIRA.


Segundo o TST, é devido o adicional de periculosidade de 30% ao operador de empilhadeira que realiza o abastecimento do veículo com a troca de cilindro ou botijão de GLP.


Trabalhador operando empilhadeira

A justiça do trabalho tem entendido que é devido o adicional de periculosidade aos operadores de empilhadeira que realizam a troca e instalação do cilindro de gás liquefeito de petróleo (GLP), visto que esta atividade é considerada perigosa, nos termos do Anexo nº 2 da NR-16 da portaria 3.214/78.



Acesse este ARTIGO completo no nosso BLOG:


https://www.sostrabalhador.com/post/periculosidade-operador-empilhadeira